Remediação de solos e águas subterrâneas contaminadas por NAPLs utilizando oxidação química

Derramamentos acidentais em indústrias e postos de abastecimento são uma ameaça para a qualidade da água subterrânea, sendo compostos orgânicos como solventes aromáticos e halogenados alguns dos principais contaminantes. Uma opção para a remediação é a oxidação química in-situ, usando diferentes oxidantes como permanganato e persulfato. Uma das maiores dificuldades da oxidação química in-situ é promover o contato do oxidante com o contaminante. Além disso, a interação dos oxidantes com solos tropicais brasileiros ainda não foi avaliada. Assim, essa pesquisa busca estudar o comportamento de soluções oxidantes em meios porosos, principalmente solos tropicais típicos brasileiros, visando melhorar a eficácia da remediação por oxidação química. Financiamento: FAPESP

Integrantes: Juliana G. Freitas, Sheila Furquim, José Ermirio F. Moraes

Desenvolvimento e verificação de técnicas de amostragem em solos tropicais

A caracterização da distribuição dos contaminantes nos aquíferos é fundamental para que os riscos possam ser avaliados e a remediação executada de forma mais eficiente. No entanto, a alta heterogeneidade das plumas de contaminantes, que apresentam variações de concentrações de ordem de grandezas em poucos centímetros é um grande desafio. Assim, tem crescido a demanda por técnicas para a realização de investigações de alta resolução. No entanto, a maior parte dessas tecnologias não foram validadas e adequadas aos solos tropicais brasileiros. Nessa pesquisa estão sendo desenvolver e verificar técnicas de amostragem de alta resolução para compostos orgânicos que sejam compatíveis às condições locais. Diferentes técnicas e arranjos estão sendo testados em laboratório e instalados e verificados em campo. Financiamento: CNPq

Integrantes: Juliana G. Freitas

Solos do Pantanal da Nhecolândia: Caracterização, gênese e mineralogia

Uma característica de destaque da Nhecolândia, uma sub-região do Pantanal Sul-Mato-Grossense, é a presença de cerca de 7000 lagoas de água doce (baías), situadas no interior de cursos d água intermitentes (vazantes), e de 1500 lagoas salgadas (salinas), situadas no interior das áreas mais elevadas da paisagem (cordilheiras). A alta variabilidade geoquímica das águas superficiais e subsuperficiais associadas a estes elementos geomorfológicos sugere a ocorrência de solos com grandes diferenças químicas, físicas e/ou mineralógicas na região. Os poucos dados disponíveis na literatura, em maioria baseados em informações de campo, já apontam a ocorrência de diferentes classes de solos, mas também mostram claras semelhanças entre os solos halomórficos das lagoas salinas e os encontrados nas cordilheiras, baías e vazantes. Neste projeto, pretende-se realizar uma caracterização detalhada dos solos da Nhecolândia, a fim de identificar os principais processos pedogenéticos responsáveis pela sua gênese e dinâmica atual. Os dados pedológicos até então disponíveis, juntamente com análises geomorfológicas da região, permitem partir da hipótese de que pelo menos parte dos solos das cordilheiras, baías e vazantes é originada a partir da destruição dos solos halomórficos típicos das salinas, devido a transformação destas lagoas em baías/vazantes. Para atingir os objetivos propostos, serão realizados levantamentos e coletas de solos em topossequências, sendo as amostras submetidas a análises físicas, químicas (de rotina e totais), micromorfológicas, mineralógicas (Difração de Raios X, Microscopia Eletrônica de Transmissão, Microscopia de Força Atômica, Espectroscopia Mossbauer e Experimentos de Síntese) e extrações sequenciais. Amostras de água passarão por análises químicas, a fim de identificar precisamente as relações genéticas com os solos estudados. 
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.  

Integrantes: Sheila Aparecida Correia Furquim - Integrante / Mirian Chieko Shinzato - Integrante / Antônio Azevedo - Integrante.
Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - Auxílio financeiro

Remediação de hormônios por oxidação química

Hormônios tem se destacado cada vez mais como contaminates emergentes, aparecendo em diversos corpos d’água e estações de tratamento de efluentes, que não foram dimensionadas para removê-los. Assim, é fundamental desenvolver técnicas de remediação efetivas para a remediação dos corpos d’água superficiais e subterrâneos, de modo que não persistam contaminantes, sejam estes hormônios ou subprodutos reacionais estáveis. Esse projeto investiga o uso de oxidantes químicos para promover a degradação dos hormônios no ambiente.

Integrantes: Juliana G. Freitas, Geórgia Labuto

Transporte e comportamento de microorganismos em solos tropicais

Contaminantes microbiológicos são uma ameaça para o uso de água subterrânea para abastecimento. No entanto, os solos podem promover a atenuação desses contaminantes, por diferentes processos. Essa pesquisa busca avaliar o transporte e destino desses contaminantes em diferentes solos tropicais, e identificar os mecanismos envolvidos.

Integrantes: Juliana G. Freitas, Cristina Rossi Nakayama, Raymond Flynn

Caracterização mineralógica e tecnológica de zeólitas e sua aplicação no tratamento de efluentes da indústria de reciclagem de alumínio

O projeto em questão pretende caracterizar e estudar as propriedades tecnológicas de algumas zeólitas naturais e sintetizadas com a finalidade de testá-las no tratamento de efluentes gerados nos processos de reciclagem de alumínio.

Integrantes: Mirian Chieko Shinzato; alunos: Luis Fernando Wu (mestrado em Ciência e Tecnologia da Sustentabilidade/UNIFESP); Lucas Guilherme de Oliveira (iniciação científica/UNIFESP)

Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - Auxílio financeiro

Apoio técnico: Reciclagem de Metais Fernão Dias Ltda

Aplicação de resíduos das indústrias do alumínio e sucroalcooleira como materiais pozolânicos

Caracterização química, física e mineralógica e propriedades tecnológicas de resíduos sólidos da indústria de reciclagem de alumínio e de cinzas do bagaço da cana da indústria sucroalcooleira como materiais pozolânicos.

Integrantes: Mirian Chieko Shinzato; alunos:  Inara Guglielmetti Braz (mestrado em Ciência e Tecnologia da Sustentabilidade/UNIFESP); Vinícius Ribeiro (iniciação científica/UNIFESP)

Apoio técnico: Reciclagem de Metais Fernão Dias Ltda.

Uso de zeólitas na remoção de dureza e metais pesados de efluentes

Estudo das propriedades tecnológicas de zeólitas (naturais e tratadas) visando o aumento da eficiência de remoção de dureza e metais pesados de efluentes diversos como água de reuso e efluentes industriais.

Integrantes: Mirian Chieko Shinzato; Juliana Freitas; alunos:  Marilia Mayumi Augusto dos Santos (mestrado em Ciência e Tecnologia da Sustentabilidade/UNIFESP); Beatriz de Moraes Carnellos (iniciação científica/UNIFESP)

Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - Auxílio financeiro

Apoio técnico: CeltaBrasil

Avaliação de métodos de extração seqüencial de cromo no solo

Estudo das técnicas de extração seqüencial do cromo, bem como de sua especiação em condições encontradas em solos usados em tratamentos de remoção de cromo por fitorremediação e uso de zeólitas.

Integrantes: Mirian Chieko Shinzato; alunos: Raquel Lima Ramos (mestrado em Ciência e Tecnologia da Sustentabilidade /UNIFESP)